Show simple item record

dc.creatorPassos, Allana Mirelle Batista
dc.date.accessioned2023-01-11T15:38:22Z
dc.date.available2023-01-11T15:38:22Z
dc.date.issued2022-12-06
dc.identifier.citationPASSOS, Allana Mirelle Batista ; MELO, Fernanda da Silva ; ALMEIDA, Taysa Vieira de ; ROCHA, Luanna dos Santos. Percepção sobre a dor no trabalho de parto : sensações e significados vivenciados entre puérperas. 29 f. Artigo (Bacharelado em Enfermagem) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Pesqueira, 2022.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ifpe.edu.br/xmlui/handle/123456789/804
dc.description.abstractObjective: To understand the perception that women attribute to the pain of labor. Method: A qualitative, descriptive and cross-sectional study, carried out between September and November 2021, in the maternity ward of a regional hospital in Pernambuco, with the participation of postpartum women admitted to rooming-in, who met the criteria of inclusion. Data collection was based on the use of an instrument divided into three sessions: 1) sociodemographic questionnaire, 2) form containing information about the previous and obstetric history of the puerperal woman and 3) guided interview script. For data analysis, the content analysis technique was used, based on studies by Laurence Bardin, which consists of three steps: pre-analysis, material exploration and treatment of results, inference and interpretation of data. Results: When asked about the pain of labor, in its biological form, the puerperal women describe it as unbearable, intense and embarrassing, however, some mothers stated that the pain is just a detail when they see the baby's face and make sure that he is fine. Final considerations: Knowing and understanding pain is the first step towards building and implementing strategies and protocols that make this special moment in the lives of many women even more humanized.pt_BR
dc.format.extent29 p.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.relationALMEIDA, Roseli da Silva Soares de et al. Puerperal women’s experiences regarding the nursing team performance during labor. Revista de Pesquisa Cuidado É Fundamental Online, [S.L.], p. 345-349, 27 fev. 2020. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO. http://dx.doi.org/10.9789/2175- 5361.rpcfo.v12.7117. ALVES, Cleidiane da Conceição et al. Humanização do parto a partir de métodos não farmacológicos para o alívio da dor: relato de experiência. Sanare - Revista de Políticas Públicas, Ceará, v. 14, n. 2, p. 70-74, jun. 2015. ISSNe: 2447-5815. ARAGÃO, Herifrania Tourinho et al. Trabalho de parto e os métodos não farmacológicos para alívio da dor: Revisão Integrativa. In: INTERNATIONAL NURSING CONGRESS, 2., 2017, Alagoas. Good practices of nursing representations In the construction of society. Sergipe: Universidade Tiradentes, 2017. p. 1-5. ARAUJO, Larissa Rocha de; LIMA, Lígia Valentim de; PEREIRA, Suzanny de Oliveira. Orientações ofertadas as gestantes quanto aos tipos de parto. 2020. 19 f. TCC (Graduação) - Curso de Enfermagem, Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos - Uniceplac, Distrito Federal, 2020. Disponível em: https://dspace.uniceplac.edu.br/bitstream/123456789/929/1/Larissa%20Rocha%20d e%20Araujo_0003606_L%C3%ADgia%20Valentim%20Lima_0004431_Suzanny%20 de%20Oliveira%20Pereira_0003497.pdf. Acesso em: 14 set. 2022. AVANZI, Samara Alves et al. Importância do apoio familiar no período gravídico- gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, [S. l.], v. 9, p. 55–62, 2019. DOI: 10.13102/rscdauefs.v9i0.3739. Disponível em: http://periodicos.uefs.br/index.php/saudecoletiva/article/view/3739. Acesso em: 17 out. 2022. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 70. ed. São Paulo: Casa de Ideias, 2016. 220 p. Tradução de: Luís Antero Reta e Augusto Pinheiro. Disponível em: https://madmunifacs.files.wordpress.com/2016/08/anc3a1lise-de-contec3bado- laurence-bardin.pdf. Acesso em: 13 out. 2020. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/ Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001. BRITO, Carla Andrea de et al. Puerperal women’s perceptions regarding preparation for birth in prenatal care. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, [S.L.], v. 16, n. 4, p. 470-478, 4 ago. 2015. Rev Rene - Revista da Rede de Enfermagem de Nordeste. http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2015000400003. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/14405/1/2015_art_cabrito.pdf. Acesso em: 07 jan. 2021. BRUNNER; SUDDARTH. SMELTZER, Suzanne C. et al. [edit.]. Histórico e Cuidados nos Processos Fisiológicos Femininos. In:_____. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014a. v. 3. p.443. CORDEIRO, Eliana Lessa et al. A humanização na assistência ao parto e nascimento. Rev Enferm Ufpe On Line, Recife, v. 12, n. 8, p. 2154-2162, set. 2018. COUTINHO, Emília de Carvalho et al. Pregnancy and childbirth: what changes in the lifestyle of women who become mothers?. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, [S.L.], v. 48, n. 2, p. 17-24, dez. 2014. FapUNIFESP (SciELO). CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado; NERY, Inez Sampaio; LUZ, Maria Helena Barros. A vivência de mulheres no parto domiciliar e hospitalar. Esc Anna Nery R Enferm, [S.I], v. 11, n. 1, p. 98-104, mar. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v11n1/v11n1a14.pdf. Acesso em: 12 out. 2020. DAVIM, Rejane Marie Barbosa et al. Banho de chuveiro como estratégia não farmacológica no alívio da dor de parturientes1. Rev. Eletr. Enf, Natal, Rn, v. 10, n. 3, p. 600-609, nov. 2008. DAVIM, Rejane Marie Barbosa; TORRES, Gilson de Vasconcelos; DANTAS, Janmilli da Costa. Representação de parturientes acerca da dor de parto. Revista Eletrônica de Enfermagem, [S.L.], v. 10, n. 1, p. 100-109, 7 out. 2009. Universidade Federal de Goias. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v10i1.7685. FIOCRUZ. A dor no parto: significados e manejo. [S. L.]: Portal de Boas Práticas 2020. 32 slides, color. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/29833/2/a%20dor%20no%20parto_signific ados%20e%20manejo.pdf. acesso em: 27 set. 2020. FIRMINO, Klecianne da Costa et al. Percepção da mulher frente à dor do parto. Revista Ciência Plural, Recife, v. 1, n. 6, p. 87-101, fev. 2020. FONSECA, Keli Regiane Tomeleri da et al. USO DE MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA O ALÍVIO DA DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO. Revista de Enfermagem Ufpe On Line, [S.L.], v. 15, n. 1, p. 1-10, 9 abr. 2021. Revista de Enfermagem, UFPE Online. http://dx.doi.org/10.5205/1981- 8963.2021.245001 GALLO, Rubneide B. S. et. al. Recursos não-farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. FEMINA, [S.l.], v. 39, n. 1, p. 41-48, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2016. GOMES, Anna Karynna Barbosa et al. Avaliação do conhecimento de gestantes atendidas em uma estratégia saúde da família de Belém/PA sobre cuidados durante a gravidez. Pará Research Medical Journal, Belém, v. 4, n. 44, p. 1-7, ago. 2020. Editora Cubo. http://dx.doi.org/10.4322/prmj.2020.001. Disponível em: https://www.prmjournal.org/article/10.4322/prmj.2020.001/pdf/prmjournal-4-e44.pdf. Acesso em: 02 fev. 2020. GOMES, Edilma Correia Honorato; DAVIM, Rejane Marie Barbosa. Prática do enfermeiro obstetra quanto ao alívio da dor de parturientes. Revista de Enfermagem Ufpe On Line, [S.L.], v. 12, n. 12, p. 3426-3435, 2 dez. 2018. Revista de Enfermagem, UFPE Online. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963- v12i12a237709p3426-3435-2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/237709/30858. Acesso em: 12 out. 2020. JUCÁ, Luana de Almeida; LAGO, Rozilaine Redi; BORGES, Maria Fernanda de Sousa Oliveira. A Percepção De Mulheres Acerca Da Dor No Parto Normal. Brazilian Journal Of Development, Curitiba, v. 7, n. 4, p. 41956-41975, abr. 2021. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/download/28825/22764?__ cf_chl_tk=rXsp2tkqeyLRh.ZwYOIYJJf6UfvkkpJuR.PGqz2ZZzY-1666222894-0- gaNycGzNCn0. Acesso em: 19 out. 2022. LEHUGEUR, Danielle; STRAPASSON, Márcia Rejane; FRONZA, Edegar. Manejo não farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeira obstétrica. Revista de Enfermagem Ufpe On Line, [S.L.], v. 11, n. 12, p. 4929- 4937, 4 dez. 2017. Revista de Enfermagem, UFPE Online. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a22487p4929-4937-2017. MAMEDE, Fabiana Villela et al. A DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO: O EFEITO DA DEAMBULAÇÃO. Rev Latino-Am Enfermagem, São Paulo, v. 15, n. 6, p. 1-6, nov. 2007. MEDINA, Edymara Tatagiba. Principais Questões sobre Dor no Trabalho de Parto e Parto: métodos de alívio não farmacológico. 2019. Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/atencao-mulher/principais-questoes-sobre- dor-no-trabalho-de-parto-e-parto-metodos-de-alivio-nao-farmacologico/. Acesso em: 03 jan. 2021. NAKANO, Andreza Rodrigues; BONAN, Claudia; TEIXEIRA, Luiz Antônio. O trabalho de parto do obstetra: estilo de pensamento e normalização do ⠼parto cesáreo⠽ entre obstetras. Physis: Revista de Saúde Coletiva, [S.L.], v. 27, n. 3, p. 415-432, jul. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0103- 73312017000300003. NASCIMENTO, Luciana de Cassia Nunes et al. Theoretical saturation in qualitative research: an experience report in interview with schoolchildren. Revista Brasileira de Enfermagem, [S.L.], v. 71, n. 1, p. 228-233, fev. 2018. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0616. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/SrfhX6q9vTKG5cCRQbTFNwJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 04 jun. 2021. OLIVEIRA, Carolina Tomedi de. Conhecimento prévio das parturientes acerca do processo de parturição humanizado segundo a revisão na literatura. 2020. 87 f. TCC (Graduação) - Curso de Enfermagem, Área de Ciências Biológicas, Médica e da Saúde, Centro Universitário Para O Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Itajaí, 2020. Disponível em: https://www.unidavi.edu.br/bibliotecatrabalhos/consultartrabalho/trabalho/54074/arqui vo/54073/download. Acesso em: 18 jan. 2021. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Assistência ao parto normal: um guia prático, 1996. Acesso em 12 out. 2020. PEREIRA, Raquel da Rocha. A Dor e o Protagonismo da Mulher na Parturição. Rev Bras Anestesiol, Santa Catarina, v. 61, n. 3, p. 376-388, maio 2012. PEREIRA, Raquel da Rocha; FRANCO, Selma Cristina; BALDIN, Nelma. A dor e o protagonismo da mulher na parturição. Revista Brasileira de Anestesiologia, [S.L.], v. 61, n. 3, p. 382-388, jun. 2011. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0034-70942011000300014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942011000300014. Acesso em: 18 jan. 2021. PONTES, Monise Gleyce de Araujo et al. Parto nosso de cada dia: um olhar sobre as transformações e perspectivas da assistência. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, Paraíba, v. 12, n. 1, p. 69-78, jun. 2014. Disponível em: http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/Parto-nosso-de-cada-dia.pdf. Acesso em: 28 jan. 2021. POSSATI, Andrêssa Batista et al. Humanization of childbirth: meanings and perceptions of nurses. Escola Anna Nery, Rio Grande do Sul, v. 21, n. 4, p. 1-6, 7 ago. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016- 0366. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v21n4/pt_1414-8145-ean-2177- 9465-EAN-2016-0366.pdf. Acesso em: 28 jan. 2021. POSSATI, Andrêssa Batista et al. Humanization of childbirth: meanings and perceptions of nurses. Escola Anna Nery, [S.L.], v. 21, n. 4, p. 1-6, 7 ago. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0366. REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos et al. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Revista Gaúcha de Enfermagem, [S.L.], v. 38, n. 1, p. 1-8, maio 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.01.64677. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n1/0102-6933-rgenf-1983-144720170164677.pdf. Acesso em: 12 out. 2020. RIBEIRO, José Francisco et al. Assistência ao parto normal sob o olhar da parturiente. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Piauí, v. 7, n. 1, p. 113-125, dez. 2016. SANTANA, Cíntia de Souza et al. Expectativas e sentimentos das puérperas acerca do trabalho de parto e parto. Research, Society And Developmen, Rio Grande, v. 9, n. 9, p. 1-18, ago. 2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/7076/6536. Acesso em: 21 set. 2022. SANTOS, Carla Bastos et al. Métodos não farmacológicos de alívio da dor utilizados durante o trabalho de parto normal. Global Academic Nursing Journal, [S.L.], v. 1, n. 1, p. 1-6, 2020. GN1 Sistemas e Publicacoes Ltd.. http://dx.doi.org/10.5935/2675- 5602.20200002. SCHMID, Verena. O sentido e as funções da dor de parto. 2016. Sílvia Roque Martins. Disponível em: https://bionascimento.com/o-sentido-e-as-funcoes-da-dor- de-parto/. Acesso em: 11 out. 2020. SILVA, Brenda Albuquerque Adriano da; BRAGA, Liliane Pereira. Fatores promotores do vínculo mãe-bebê no puerpério imediato hospitalar: uma revisão integrativa. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 258-279, jun. 209. Versão impressa ISSN 1516-0858. SIMAS, Flavia Baroni; SOUZA, Laura Vilela e; SCORSOLINI-COMIN, Fabio. Significados da gravidez e da maternidade: discursos de primíparas e multíparas. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, Sp, v. 15, n. 1, p. 19- 34, jan. 2013. ISSN 1516-3687 (impresso), ISSN 1980-6906 (on-line).. TORNQUIST, Carmen Susana. ARMADILHAS DA NOVA ERA: NATUREZA E MATERNIDADE NO IDEÁRIO DA HUMANIZAÇÃO DO PARTO. Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, v. 1, n. 1, p. 483-493, out. 2002. ZANATTA, Edinara et al. A experiência da maternidade pela primeira vez: as mudanças vivenciadas no tornar-se mãe. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del Rei, v. 12, n. 3, p. 1-16, dez. 2017. ISSN 1809-8908. ZANGIROLAMI-RAIMUNDO, Juliana; ECHEIMBERG, Jorge de Oliveira; LEONE, Claudio. Research methodology topics: cross-sectional studies. Journal Of Human Growth And Development, [S.L.], v. 28, n. 3, p. 356-360, 28 nov. 2018. Faculdade de Filosofia e Ciências.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectTocologiapt_BR
dc.subjectDor do Partopt_BR
dc.subjectTrabalho de Partopt_BR
dc.subjectAssistência ao Partopt_BR
dc.subjectPercepção da Dorpt_BR
dc.titlePercepção sobre a dor no trabalho de parto : sensações e significados vivenciados entre puérperaspt_BR
dc.typeTCCpt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9656113587355725pt_BR
dc.contributor.advisor1Rocha, Luanna dos Santos
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4704596859197024pt_BR
dc.contributor.advisor-co1Almeida, Taysa Vieira de
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3744908075901629pt_BR
dc.contributor.referee1Almeida, Taysa Vieira de
dc.contributor.referee2Pedroza, Robervam de Moura
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3744908075901629pt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9100858477299357pt_BR
dc.publisher.departmentPesqueirapt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEMpt_BR
dc.description.resumoObjetivo: Compreender a percepção que as mulheres atribuem à dor do trabalho de parto. Método: Estudo de abordagem qualitativa, descritiva e transversal, realizado entre setembro a novembro de 2021, na maternidade de um hospital regional pernambucano, com a participação de puérperas internadas em alojamento conjunto. A coleta de dados se deu a partir de um instrumento subdividido em três sessões: 1) questionário sociodemográfico, 2) formulário contendo informações a respeito da história pregressa e obstétrica da puérpera e 3) roteiro de entrevista guiada. Para análise dos dados, foi utilizada a técnica de análise de conteúdo, baseada nos estudos de Laurence Bardin, que consiste em três etapas: pré-análise, exploração do material e o tratamento dos resultados, inferência e interpretação dos dados. Resultados: Quando indagadas sobre a dor do trabalho de parto, em sua forma biológica, as puérperas descrevem-na como insuportável, intensa e constrangedora, porém, algumas mães afirmaram que a dor é apenas um detalhe, pois a relevam quando veem o bebê e se certificam que ele está bem. Considerações finais: Conhecer e compreender a dor é o primeiro passo para a construção e implementação de estratégias e protocolos que tornem a assistência ao parto um momento significativo na vida das mulheres.pt_BR
dc.creator.name2Melo, Fernanda da Silva
dc.creator.Lattes2http://lattes.cnpq.br/5634977932093065pt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record