Show simple item record

dc.creatorMelo, José Gustavo da Silva Melo
dc.date.accessioned2024-02-01T01:20:21Z
dc.date.available2024-02-01T01:20:21Z
dc.date.issued2023-09-28
dc.identifier.citationMELO, José Gustavo da Silva. Xukuru do Ororubá: História de luta de um povo pela conservação ambiental da sua terra ancestral. 2023. 97f. Trabalho de Conclusão de Curso ( Curso Superior Tecnológico em Gestão Ambiental)- Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Recife.2023.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ifpe.edu.br/xmlui/handle/123456789/1156
dc.description.abstractLearning programming is considered an activity that stimulates logical, structured and mathematical thinking; having its importance recognized in several countries that adopt it in their regular curriculum. The Oficinas Ingrediente X project is an initiative with the objective of teaching programming to students from the public schools of Pernambuco using Scratch. During the project, some math difficulties of the studentswere identified, especially in equations, functions and the cartesian plane. Because of this, the theoretical classes of the project were used to teach these subjects using features present in Scratch; with the participation of the students, it was possible to use the Scratch platform to explain and demonstrate math subjects. Through qualitative research made during the project, it was possible to observe the students were engaging more in these subjects in their regular classes. They were also having an easier time in their regular math tests. Despite the difficulties of the project, teaching programming to these students was an excellent way to show and consolidate interdisciplinary content, especially math content.pt_BR
dc.format.extent98f.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.relationThe objective of the research is to analyze the construction of the socio-ecological identity of the original people, Xukuru do Ororubá, in the municipality of Pesqueira, Pernambuco, in order to understand its interrelationship with environmental conservation. The violence, misery and hunger suffered by the original Brazilian peoples, throughout the history of struggles, from the colonial period, through the empire, to the redemocratization of Brazil, by the 1988 Constitution. The research was carried out through a systematic review integrative (bibliographical review) in databases between 2008 and 2023, with the journal platforms Scopus, Scielo, Portal Capes as the main sources of information. This procedure resulted in 72 documents in the collection, which were evaluated again, now according to the thematic categorization of the research, which resulted in 58 documents. Linked to this, content analysis emerges that systematizes the rules and the interest in expanding the applications of the semi-structured interview technique. It is pointed out that the stories of the Xukuru do Ororubá people also help us to understand how people and groups experienced the past and make it possible to question generalizing interpretations of certain events and contexts. In view of the above, when analyzing the reports of the Xukuru do Ororubá, in the Ororubá mountain range, it is possible to affirm that the struggles for their ancestral land are closely inseparable from socio-ecological identity, since both, the original people and their lands, are confused with the conservation of the environment, creating a man-environment configuration, linked to the culture of these people. ANAYA, F. C. “Vazanteiros em movimento”: o processo de ambientalização de suas lutas territoriais no contexto das políticas de modernização ecológica. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l], v. 19, n. 10, p. 4041–4050. 2014. doi:10.1590/1413812320141910. 09242014 ANDERSON, P. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. ANDRADE, D. C.; ROMEIRO, A. R. Degradação Ambiental e Teoria Econômica: Algumas Reflexões sobre uma “Economia dos Ecossistemas”. Revista EconomiA, Brasília (DF), v.12, n.1, p.3–26, jan/abr 2011. APAC. AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA. Monitoramento hidrológico. 2018. Disponível em: < http://www.apac.pe.gov.br/monitoramento/>. Acesso em: 08 jul. 2023. ARAÚJO, A. L. de O.; ORDÔNIO, I. N. Feira Xukuru do Ororubá: conquistas em torno de uma experiência de comercialização de alimentos de base ecológica. In: Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia. Fortaleza/CE, 12 a 16/12/2011, p. 1-5. ARRETCHE, M. (Org.). Trajetórias da desigualdade. Como o Brasil mudou nos últimos 50 anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015. 496p. ARRUTI, J. M. A. Morte e vida no Nordeste indígena: emergência étnica como fenômeno histórico regional. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 8 n.15, p. 57-94. 1995. ARAUJO, M. “Como Deliberar Sobre o Tipo de Pessoas que Queremos Ser”. In: Argumentos, a.3, n.3, Fortaleza 2011, p.23-34. ARAÚJO, S. M.; BRIDI, M. A.; MOTIM, B. L. Sociologia: um olhar crítico. São Paulo: Contexto, 2013. AVELINO, W. F. O cotidiano escolar na Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (1984-2014). Dissertação (Mestrado em educação). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências. Rio Claro: UNESP, 2015. 174f. AZEVEDO, A. E. L. de. O Diretório Pombalino em Pernambuco. (Dissertação de Mestrado em História). Recife: UFPE, 2004. AZEVEDO, D. G.; GOMES, R. L.; MORAES, M. E. B. de. ESTUDOS DA FRAGMENTAÇÃO DA PAISAGEM NA DEFINIÇÃO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO BURANHÉM. Bol. geogr. Maringá, v. 34, n. 2, p. 127-144, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v34i2.25554 BALLESTRIN, L. América Latina e o giro descolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.11, p. 89-117, maio/ago. 2013a. Disponível em: Acesso em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=52 53&secao=431.>. 15 set. 2023. BALLESTRIN, L. Para transcender a colonialidade. Instituto Humanitas Unisinos/IHU, Rio Grande do Sul, n. 431, 2013b. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=52 53&secao=431.>. Acesso em: 5 ago. 2023. BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 229p. 2016. BAPTISTA, C.; BENITES, S.; SÁNCHEZ, C. Diálogos Interculturais com a comunidade indígena Guarani Mbyá: a Relação com a terra e territorialidade como temas geradores de Educação Ambiental e Ensino de Ciências. In: Kassiadou et al (orgs). Educação Ambiental Desde El Sur. Editora Nupem, Macaé, 2018. BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1981. BECK, U. Sociedade do risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010. BENTHAM, J. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo. Editora Abril. 1974. BEZERRA, E. C. M. Migrações Xukuru do Ororubá: memórias e história (1950- 1990). (Dissertação de Mestrado em História). Recife, UFPE, 2012. BEZZON, R. Z.; DINIZ, R. E. da S. O CONCEITO DE ECOSSISTEMA EM LIVROS DIDÁTICOS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO: ABORDAGEM E POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES. EDUR: Educação em Revista. 2020; 36:e195948 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698195948 BIZERRIL, G. R.; IBARRA, E. del S. R. Eventos acadêmicos indígenas na UnB sob a perspectiva da interculturalidade crítica. Dossiê Saberes transformativos em prática na academia. Interethnic@. Revista de Estudos em Relações Interétnicas. Brasília, v. 22 n. 1, p. 26-45. 2019. BRASIL. Lei nº 4771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Novo Código Florestal. Código Florestal de 1965. Diário Oficial da União, Brasília. Seção 1, p. 9529. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. BRASIL. Lei nº 7.803, de 18 de junho de 1989. Altera a redação da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e revoga as Leis n.º 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511, de 7 de julho de 1986. Diário Oficial da União. Brasília, 18 de julho de 1989. BRASIL. Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o artigo 225, § 1, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 jul. 2000. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 30 jul. 2023. BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Nova delimitação do Semiárido brasileiro. Brasília, DF, 2005. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Petição nº 3.388. Requerente: Augusto Affonso Botelho Neto. Requerido: União. Rel. Min. Ayres Britto. Brasília, DF, 19 de março de 2009. Disponível em: https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=630133. Acesso em 29 out. 2023. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Áreas de preservação permanente e unidades de conservação X áreas de risco: o que uma coisa tem a ver com a outra? Relatório de inspeção da área atingida pelas tragédias das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro. Brasília, DF, 2011. BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166- 67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF, 25 de maio de 2012. Disponível em: http://www.plan alto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/ lei/l12651.htm. Acesso: 19 mar. 2023. BRASIL. Decreto n.º 7.747, de 25 de maio de 2012. Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas – PNGATI, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 6 jun. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7747.htm. Acesso em 02 nov. 2023. BRASIL. Ministério da Educação. Guia do PNLD 2016. Brasília, 2013. Disponível em http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guia-dolivro/guia-pnld-2014. Acesso em: 22 mar. 2023. BRASIL. Temas contemporâneos transversais na BNCC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/guia_pratico_temas_c ontemporan eos.pdf. Acesso em: 17 out. 2023. CADEMARTORI, S. Estado de Direito e Legitimidade: uma abordagem garantista. 3. ed. rev. e ampl. Canoas: Unilasalle, 2021. CALEGARE, M. G. A.; HIGUCHI, M. I. G.; BRUNO, A. C. S. Povos e comunidades tradicionais: das áreas protegidas à visibilidade política de grupos sociais portadores de identidade étnica e coletiva. Ambiente & Sociedade, [s.l.], v. 17, n. 3, p. 115– 134. 2014. doi:10.1590/S1414753X2014000300008. CAMARGO, D. R. Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os Saberes Locais no Vale do Jequitinhonha. 2017. Dissertação (mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. 210f. CARLOS, H. S. A. Análise da implementação de Unidades de Conservação no contexto da rodovia BR-319. Organizado por Henrique Santiago Alberto Carlos; Fernanda de Almeida Meirelles. - Manaus: IDESAM, 2018. 100p. ISBN 978-85- 64371-28-6 CARNEIRO. B. M.; BERTINI. H.; SILVA, G. A. “Perspectivas de conexão entre fragmentos florestais do Corredor Ecológico Burarama-Pacotuba-Cafundó, na Mata Atlântica do Espírito Santo, através de recomposição de Áreas de Proteção Permanente de cursos d’água”. Natureza, on line, v. 11, n.1 p. 20-28. 2013 CARVALHO, I. C. de M. O sujeito ecológico: a formação de novas identidades na escola. In: PERNAMBUCO, Marta; PAIVA, Irene. (Orgs.). Práticas coletivas na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2013. CARVALHO, I. C. de M. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecol. e Desenv. Rur. Sustent. Porto Alegre, v.2, n.2, p. 43-51, 2001. CARVALHO, L. “Trabalho Técnico Social X Meio Ambiente nos Programas Habitacionais Brasileiros”. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tec. Ambiental. Carvalho, V (4) número 4 p. 593-607, 2011. CARVALHO, M. A. D. de; OYAMA, M. D. VARIABILIDADE DA LARGURA E INTENSIDADE DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL ATLÂNTICA: ASPECTOS OBSERVACIONAIS. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 28, n. 3, p. 305-316, 2013. CBHSF. COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO. Plano Municipal de Saneamento Básico – PMSB. Produto 2 - Diagnóstico da situação de saneamento básico de Pesqueira/PE. v. I, 2015. Disponível em: <http://cbhsaofrancisco.org.br/wp-content/uploads/2015/03/P2-Pesqueira-03-06- 2015.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2023. CEPAN - CENTRO DE PESQUISAS AMBIENTAIS DO NORDESTE. Projeto de Adequação Ambiental do Reservatório Pirapama. Recife, 2013. CHICANGANA-BAYONA, Y. A. Imagens de canibais e selvagens do novo mundo: do maravilhoso medieval ao exótico colonial (séculos XV-XVII). Campinas: Unicamp, 2017. 264 p. COSTA, L. do N. CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO AMAPAENSE QUANTO AOS DIFERENTES MODOS DE USO: um estudo de caso da agrícola Cerrado, visando o desenvolvimento agrícola sustentável. 2014. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Federal do Amapá, Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional, Macapá/AP. 2014. 75pf. COELHO, M. S.; GAN, M. A.; CONFORTE, J. C. Estudo da variabilidade da posição e da nebulosidade associada à ZCIT do Atlântico, durante a estação chuvosa de 1998 e 1999 no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia, [s.l.], n. 19, p. 23-34, 2004. CONAMA - CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO CONAMA nº 369, de 28 de março de 2006. Disponível em:<http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=489> Acesso: 19 mar. 2023. CEZÁRIO, A. R. V.; CARVALHO; A. N. DE; MELO, M. D. B. DE; AGUIAR, J. HO. DE; SILVA, E. V. DA. Considerações sobre Educação Ambiental formal e informal. 7- 13pp. In: SILVA, E. V. da; CARVALHO, R. G. de (Coord.). ECOPEDAGOGIA NA EDUCAÇÃO FORMAL E INFORMAL. In: Victória o Nascimento Viana; Wellington Romão Oliveira; Aline Neris de Carvalho Maciel Edson Vicente da Silva. (Org.). Educação ambiental formal e informal. Mossoró – RN, Edições UERN, 2017. 157p. ISBN: 978-85-7621-155-6 CUNHA. A. A.; GUEDES, F. B. Mapeamentos para conservação e recuperação da biodiversidade na Mata Atlântica: em busca de uma estratégia espacial integradora para orientar ações aplicadas. Ministério do Meio Ambiente (MMA), Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília, DF. 2013. 216p. CUNHA, M. C. da. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009. CUNHA, M. C. da; BARBOSA, S. (org.). Direitos dos povos indígenas em disputa. São Paulo: Unesp, 2018. 367p. DANTAS, B. G.; SAMPAIO, J. A. L.; CARVALHO, M. do R. G. de. Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009. DELALIBERA, P. H. A.; LIMA, R. S.; TURRIONI, J. B. Pesquisa levantamento para análise do modelo de compras conjuntas adotado em arranjos produtivos locais de Minas Gerais. Production, [s.l.], v. 25, n. 2, p. 391-402, abr./jun. 2015. DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: N. K. Denzin & Y, S. Lincoln (Orgs). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre, RS. Editora Artmed. 2010. DIAS, C. L.; CAPIBERIBE, A. (org.). Os índios na Constituição. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2019. 158p. DRESCH, A.; MIGUEL, P. A. C. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PESQUISA EMPREGADOS PARA A CONDUÇÃO DE ESTUDOS QUE ABORDAM A INOVAÇÃO NO BRASIL. Revista GEINTEC. ISSN: 2237-0722. São Cristóvão/SE. v. 5, n. 4, p.2480-2494. 2015.D.O.I.: 10.7198/S2237-0722201500040001 DUSSEL, E. 1942: O Encobrimento do Outro – A Origem do Mito da Modernidade. (tradução de Jaime A. Clasen), Petrópolis, RJ. Vozes, 1993. 190p. EAGLETON, T. As ilusões do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998. EFDH-MG. Escola de Formação em Direitos Humanos de Minas Gerais. Direitos Humanos e Cidadania - Proteção, Promoção e Reparação dos Direitos das Comunidades Tradicionais. v.13. Rogerio Duarte do Pateo. Belo Horizonte, Minas Gerais. Marginália Comunicação, 2016. ISBN: 978-85-68743-15-7 EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. In: SANTOS, H. G. dos; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C. dos; OLIVEIRA, V. A. de; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A. de; ARAUJO FILHO, J. C. de; OLIVEIRA, J. B. de; CUNHA, T. J. F. 5. ed., rev. e ampl. Brasília, DF, 2018. 356 p. ISBN 978-85-7035-800-4 FANON, F. Os Condenados da Terra. (Tradução de José Laurênio de Melo) Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1968. FEITOSA, S. F.; LACERDA, R. F. Bem Viver: Projeto U-tópico e De-colonial. Interritórios. Revista de Educação. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Caruaru. v.1, n. 1. 2015. Disponível em: http://www.revistainterritorios.com.br/media/artigos/rev.2.iSaber-viver-projeto-u topico-e-de-colonial-a-docx.pdf. Acesso em: 31 ago. 2022. FERREIRA, A. G. C. Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. Revista de Ciência da Informação, [s.l.], v. 11, n. 3, 2010. FAZENDA, I. C. A. (org.). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 18 ed. Campinas: Papirus, 2011. FAZENDA, I. C. A. (org.). O que é interdisciplinaridade?. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2013. 92p. FAZENDA, I. C. A.; VARELLA, A. M. R. S.; ALMEIDA, T. T. de O. Interdisciplinaridade: tempos, espaços, proposições. Revista e-Curriculum, [s.l.], v. 11, núm. 3, 2013. FERRAJOLI, L. A construção da democracia. Coordenação da tradução por Sergio Cademartori. Florianópolis: Emais, 2023. _____________. Constitucionalismo más allá del estado. Madrid: Trotta, 2018. FERREYRA, L. E.; COSTA; S. K.; SILVA JUNIOR; M. F. da. O técnico em meio ambiente como profissional dissociado do habitus sujeito ecológico: um estudo no Instituto Federal da Bahia, Campus Eunápolis. REMEA, Rio Grande, v 3, n 3, p. 213- 229, 2016. Disponível em: <https://www.seer.furg.br/remea/article/view/5848>. Acesso em: 21 mar. 2021. FIGUEIREDO, A. de C. Dinâmica de vegetação e regime de precipitação em bacia hidrográfica da região semiárida de Pernambuco. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Engenharia Agrícola. Recife. 2014. 97p. FGV, FACULDADE GETÚLIO VARGAS. Direitos Humanos: Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas. International Finance Corporation. Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas. 33p. 2016. FLECK, L. Gênese de desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte, MG: Fabrefactum. 2010. 205p. FLEURI, R. M. BEM VIVER NA AMAZÔNIA. Humanitas, [s.l.], v. 2, n. 1/2, 2022, p. 9-16. ___________. Aprender com os povos indígenas. Revista de Educação Pública, [s.l.], v. 26, n. 62/1, p. 277-294, maio 2017. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt. br/ojs/ index.php/educacaopublica/article/view/4995. Acesso em: 21 out. 2023. FONSECA, F. S. R. da; OLIVEIRA, L. G. Concepções de meio ambiente dos educadores ambientais do Zoológico de Goiânia: implicações nas atividades e contribuições para a formação do sujeito ecológico? Educar em Revista, Curitiba, n. 41, p. 231-246, jul./set. 2011. GALVÃO, S. V. Diccionario chorographico, histórico e estatístico de Pernambuco. Rio de Janeiro: 3.ed., v. 4, 1927. GARCIA, Y. M. O Código Florestal Brasileiro e suas Alterações no Congresso Nacional. Departamento de Geografia da FCT/UNESP, Presidente Prudente, v.1, n. 12, p.54-74, jan./jun. de 2012. GELUDA, L.; SERRÃO, M.; LEMOS, R. Desafios para a sustentabilidade financeira das unidades de conservação no Brasil. In: BENSUSAN, N.; PRATES, A. P. (Org.). A diversidade cabe na unidade? Áreas Protegidas no Brasil. Mil Folhas, Brasília, 2014. 736p. GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 1991. GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 2010. GOMES, A. O. Aquilo é uma coisa de índio: objetos, memória e etnicidade entre os Kanindé do Ceará. Recife: UFPE, 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia). 2012. GOMES, H. C. Musicalização infantil: formação docente para educação ambiental. 2011. 133 p. Dissertação (Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente). UNIFOA, Volta Redonda, 2011. GOMES, L. Manufatura ágil e o setor de serviços financeiros brasileiro: uma análise exploratória de práticas de gestão de TI. 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010. GOMES, M. H. A.; SILVEIRA, C. Sobre o uso de métodos qualitativos em Saúde Coletiva, ou a falta que faz uma teoria. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 46, n. 1, p. 160- 165. 2012. GONZALEZ, F. C. E. Uma investigação fenomenológica na educação ambiental: do simbólico ao simbolismo. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação). UFMS, Campo Grande, 2012. 143 f. GRABNER, M. L. (coord.) Territórios de povos e comunidades tradicionais e as unidades de conservação de proteção integral: alternativas para o asseguramento de direitos socioambientais. 6. Câmara de Coordenação. Redação Eliane Simões; Débora Stucchi. Brasília: MPF, 2014. 117p. GUIMARÃES, M. Os caminhos da Educação Ambiental: da forma a ação. Campinas: Papirus, 2016. HAESBART, Rogerio. Território e Multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia. Rio de Janeiro, ano 11, n. 17, p. 19-44, mar, 2007. HARAWAY, D. Seguir con el problema: generar parentesco en el Chthuluceno. Espanha: Consonni, 2019b. HERRMANN, G.; COSTA, C. GESTÃO INTEGRADA DE ÁREAS PROTEGIDAS: Uma análise de efetividade de mosaicos. Brasília-DF, WWF-Brasil. 2015. 80p. HOHENTAL, N. D. “Notes of the Sucurú Indians of Serra de Ararobá”. Pernambuco. In: Revista do Museu Paulista, [s.l.], p. 91-166, 1958. IASI, M. L. Ensaios sobre consciência e emancipação. 2. ed. São Paulo: Expressão popular, 2011. IBARRA, E. del S. R. Dossiê “Estados, territórios e autodeterminação indígena na América Latina”. Revista de Estudos em Relações Interétnicas. Brasília, v. 20 n. 1, p. 8-15. 2017. IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas. Biblioteca IBGE. v. 1, p. 52–55. 2019. IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características gerais dos indígenas. 2010. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/95/cd_2010_indigenas_univers o.pdf>. Acesso em: 09 jul. 2023. IPAM. Terras Indígenas na Amazônia Brasileira: reservas de carbono e barreiras ao desmatamento. 2015. 14p. Disponível em: https://ipam.org.br/wp content/uploads/2015/12. Acesso em 02 nov. 2023. KREKÁ, JUPAGO. Coletivo da Agricultura Indígena Xukuru. In: VI Encontro Urubá Terra. Aldeia Pé de Serra. novembro de 2018. KRENAK, A. A origem do bem viver. In: KRENAK, Ailton; MAIA, Bruno (org.). Caminhos para a Cultura do Bem Viver. Sl: Cultura do Bem Viver, 2020a. Disponível em:https://cdn.biodiversidadla.org/content/download/172583/1270064/file/Caminhos %20 para%20a%20cultura%20do%20Bem%20Viver.pdf . Acesso em: 12 out. 2023. __________. Caminhos para a cultura do Bem Viver, 2020b. __________. O amanhã não está à venda. Companhia das Letras, 2020c. . Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. KRZYSCZAK, F. R. AS DIFERENTES CONCEPÇÕES DE MEIO AMBIENTE E SUAS VISÕES. Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai. Revista de Educação Ideau. Rio Grande do Sul, v. 11, n. 23, 18p. janeiro - junho - 2016 LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2010. LAYRARGUES, P. P. “Para onde vai a educação ambiental? O cenário político ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica”. In: Revista Contemporânea de Educação. n. 14. agosto/dezembro de 2013. LEHER. R. Educação ambiental como crítica ao desenvolvimento sustentável: desafios dos movimentos e das lutas sociais. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B. e LAMOSA, Rodrigo. (Orgs.). Educação ambiental no contexto escolar: um balanço crítico da década da educação para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Quartet; CNPq, 2015. LEMOS, P. F. I.; MENDES, J. M. A. Resíduos eletrônicos e seus aspectos jurídicos no Brasil. In: CARVALHO, T. C. M. de B.; XAVIER, L. H. (org.). Gestão de resíduos eletroeletrônicos: uma abordagem prática para a sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. LESBAUPIN, I. A sociedade do “Bem Viver”. Pontífice Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais. 2011. Disponível em: http://www.pucminas.br/documentos/ivo_les_pdf.pdf. Acesso em: 31 ago. 2022. LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola: teoria e prática. 5. ed. Revista e ampliada. Goiânia: MF Livros, 2008. LIBERALI, R. Metodologia científica prática: um saber-fazer competente da saúde à educação. 2. ed. rev. e ampl. Florianópolis: Postmix, 2011, 206p. LIMA, R. O marxismo e a pesquisa qualitativa como referências para investigação sobre educação profissional. In: LIMA, R.; RODRIGUES, D. A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas: Alínea, p. 157-184. 2012. LIRA, D. B. Os Índios Xukuru do Ororubá na ribeira do Ipojuca (Pesqueira/Porção): ambiente, memória e história (1986-2010). Recife. 2013. Dissertação (mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Pós-Graduação em História, 2013. 159p. LIRA, E. M. de. A criação do parque nacional da Serra do Divisor no Acre (1989) e sua inserção nas políticas federais de implantação de Unidades de Conservação federais no Brasil. 2015. Tese Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, Programa de Pós-graduação em História Social, 2015. 216f. LOPES, R. J. 1499: o Brasil antes de Cabral. 1. ed. Rio de Janeiro: Harper Collins Brasil, 2017. 246 p. 981.01 L864 MBA LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e educação para o desenvolvimento sustentável: polêmicas, aproximações e desafios. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B. e LAMOSA, Rodrigo. Educação ambiental no contexto escolar: um balanço crítico da década da educação para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Quartet; CNPq, 2015. LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2014a. LOUREIRO, C. F. B. Materialismo histórico-dialético e a pesquisa em educação ambiental. Revista Pesquisa em Educação Ambiental, São Carlos, v. 9, n. 1, pp. 53-68, 2014b. LOUREIRO, C. F. B. e TORRES, Juliana R. (orgs.). Educação ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014c. LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e “teorias críticas”. In: GUIMARÃES, Mauro. (org.) Caminhos da educação ambiental: da forma à ação. 5 ed. Campinas: Papirus, 2011. LOUREIRO, C. F. B., TREIN, E., TOZONI-REIS, M. F. de C., NOVICKI, V. Contribuições da teoria marxista para a educação ambiental crítica. Caderno CEDES, Campinas. v. 29, n. 77, jan.-abr. 2012. MACHADO, L. C. P.; FILHO, L. C. P. M. A Dialética da Agroecologia: Contribuições para um mundo com alimentos sem veneno. 2 ed. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2017. MAGALHÃES, V.L.; CUNHA, J.E.; NÓBREGA, M.T. Indicadores de vulnerabilidade ambiental. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife/PE, v.07, 2014. MALERBA, J.; MILANEZ, B.; SCOTTO, G.; MANSUR, M. S.; SATOS, R. S. Diferentes Formas de Dizer Não. Rio de Janeiro: FASE. 2014. MALOMALO, Bas`Ilele. Filosofia Africana do NTU e a Defesa de Direitos Biocósmicos. Problemata: R. Intern. Fil., [s.l], v. 10. n. 2, p. 76-92, 2019. MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. Editora Atlas. 9ª edição. 2017. MATOS, S. M. S.; SANTOS, A. C. dos. Modernidade e crise ambiental: das incertezas dos riscos à responsabilidade ética. Trans/Form/Ação, Marília, v. 41, n. 2, p. 197-216, Abr./Jun., 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0101- 3173.2018.v41n2.11.p197 MEDEIROS, M. do C. Igreja e dominação no Brasil escravista: o caso dos Oratorianos de Pernambuco – 1659-1830. João Pessoa, Ideia, 1993. MEDEIROS, R.; YOUNG; C.E.F.; PAVESE, H. B.; ARAÚJO, F. F. S. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Sumário Executivo. Brasília: UNEP-WCMC, 2011. 44p. MELO, A. M. Q. de; ROSA, M. de L. da S.; CONCEIÇÃO, H. Idades U-Pb de zircão detríticos e suas implicações na proveniência de sedimentos da Formação Penedo, Bacia de Sergipe-Alagoas, NE Brasil. Revista do Instituto de Geociências. Geol. USP, Sér. cient. São Paulo, v. 18, n. 1, p. 2-33, março 2018. MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª Ed. São Paulo, SP: Editora Hucitec. 2013. _______________. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 17, n. 3, p. 621-626. 2012. MORAES, N. R.; BRAGA, G. de S.; LIMA, A. R. de; SILVA, M. L. da; ALVES, P. K. F.; BRUMATTI, L. M. O desafio do desenvolvimento nas comunidades tradicionais brasileiras: análise da delimitação conceitual. Anais do Congresso Nacional de Pesquisadores em Economia Solidária – CONPES. São Carlos/SP: UFSCar, 2015. MORAES, N. R.; CAMPOS, A. de C.; MÜLLER, N. M. de As comunidades tradicionais e a discussão sobre o conceito de território. Revista ESPACIOS. [s.l.], v. 38, n. 12, p. 17 -25. 2017 MORAES, M. C.; NAVAS, J. M. B. (Org.). Complexidade e Transdisciplinaridade em Educação: teoria e prática docente. Rio de Janeiro: WAK, 2010. MORAES, M. E. B; GOMES, R. L.; THÉVENIN, J. M. R.; SILVA, G. S.; VIANA, W. R. C. da C. Análise da Paisagem da Bacia Hidrográfica do Rio Almada (BA) com base na fragmentação da vegetação. Revista online Caminhos da Geografia, ISSN 1678-6343, [s.l.], v. 13, n. 41, p. 159-169. 2012. MOSCOVICI, S. Sociedade contra a natureza. Rio de Janeiro: Vozes, 1975. NAKANO, D. Métodos de pesquisa adotados na Engenharia de Produção e Gestão de Operações. In: (ORGANIZADOR), P. A. C. M. (Ed.). Metodologia de Pesquisa em Engenharia de Produção e Gestão de Operações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier: ABEPRO, 2012. p. 65–74. NOGUEIRA, R. Denegrindo a educação: um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação (RESAFE), n. 18 maio-out. 2012. NOZOE, N. Sesmarias e Apossamento de Terras no Brasil Colônia. Revista EconomiA, Brasília (DF), v.7, n.3, p.587–605, set/dez 2006. OLIVEIRA, J. P. de (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. 2ª ed. Rio de Janeiro, 2004. OLIVEIRA, J. P. de (Org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modo de reconhecimento e regimes de memórias. Rio de Janeiro, 2011. OLIVEIRA, K. E. Guerreiros do Ororubá: o processo de organização política e elaboração simbólica do povo indígena Xukuru. Interethnica. [s.l], v. 11, n. 2, p. 21-41. 2018. OLIVEIRA, M. F. de. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em Administração. Catalão: UFG, 2011. 72 p. Manual (pós-graduação). Universidade Federal de Goiás, 2011. OSOWSKI, R. O marco temporal para demarcação de terras indígenas, memória e esquecimento. Revista Mediações, Londrina, v. 22, n. 2, p. 320-346, 2017. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/32261. Acesso em 03 nov. 2023. PAO, M. L. Concepts of information retrieval. Englewood, Colorado: Libraries Unlimited, Inc., 1989. 285 p. PAZ, U. F. Gestão de áreas verdes públicas no Recife, Pernambuco, Brasil. 2016. 197p. Dissertação (Mestrado em Gestão Ambiental) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco- PE. 2016. PEGORARI, B. A tese do “marco temporal da ocupação” como interpretação restritiva do direito à terra dos povos indígenas no Brasil: um olhar sob a perspectiva da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Revista Aracê, São Paulo, ano 4, n. 5, p. 242-262, 2017. Disponível em: https://arace.emnuvens.com.br/arace/article/viewFile/144/79. Acesso em: 28 out. 2023. PEREIRA, J. M. Metodologia da Pesquisa Científica. Editora DOWBIS. 1ª Edição. 2018. PEREIRA, S. S.; CURI, R. C. Meio Ambiente, Impacto Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceituações Teóricas sobre o Despertar da Consciência Ambiental. REUNIR – Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, [s.l.], v. 2, n. 4, p.35-57, Set-Dez/2012. ISSN: 2237-3667 PERES, S. Arrendamento e terras indígenas: análise de alguns modelos de ação indigenista no Nordeste (1910-1960). 1992. 135f. Rio de Janeiro, UFRJ/Museu Nacional (Dissertação Mestrado em Antropologia Social). 1992. PELLIZZARO, P. C.; HARDT, L. P.A.; HARDT, C.; HARDT, M.; SEHLI, D. A. GESTÃO E MANEJO DE ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS: CONTEXTO INTERNACIONAL. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. XVIII, n. 1, p. 21-40. jan./mar. 2015. POLLAK, M. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v .5, n.10, p. 200-212, 1992. QUEIROZ, P. F. de; SOBREIRA, A. G. ANTROPOLOGIA GERAL. Pró-Diretoria de Inovação Pedagógica. Ed. INTA - Instituto Superior de Teologia Aplicada PRODIPE. 1ª edição, Sobral/CE. 2016. 88p. QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SOUZA, Boaventura Santos, MENEZES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo, Ática, 1993. RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2006. RECIFE. Lei no 18.014, de 9 de maio de 2014. Institui o Sistema Municipal de Unidades Protegidas - SMUP Recife e dá outras providências. Diário Oficial [do Município do Recife], Recife, PE, v. 1, n. 245, 10 mai. 2014. Seção IV, p. 37-52. RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3ª ed. São Paulo: Global. 2015. RODRIGUES, P. C. G.; CHAGAS, M. das S. das; SILVA, F. B. R. e; PIMENTEL, R. M. de M. ECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO AGRESTE PERNAMBUCANO. Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 25, n. 3, set/dez. 2008. RUFINO, L. Pedagogia das Encruzilhadas. Mórula Editorial, Rio de Janeiro, 2019. RUFINO, L.; SIMAS, L. A. Flecha no tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019. SALMONA, Y.; RIBEIRO, F.; MATRICVARDI, E. Parques “no papel” conservam? O caso do Parque dos Pireneus em Goiás. Bol. Goiá. Geogr. (Online). Goiânia, v. 34, n. 2, p. 295- 310, maio/ago. 2014. SANTOS, A. A. Paisagem do Parque Nacional da Serra da Canastra e sua Zona de Amortecimento (MG): Análise a partir de Mineração de Dados e Métricas de Paisagem. 2014. Dissertação (Mestrado em Geociências). – Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências, Belo Horizonte, 2014. 116f. SANTOS, M. C. de M. PÓS-MODERNIDADE E A CULTURA DO CONSUMO: IMPACTOS AMBIENTAIS NA CIVILIZAÇÃO TECNOLÓGICA. Ciências Sociais Aplicadas em Revista. UNIOESTE/MCR. [s.l.]. v.16, n. 31, 2º sem.2016. p. 90 a 99 - ISSN 1679-348X SANTOS. Z. P. Estudo de Fragmento Florestal na Mata Atlântica com Base em Princípios da Ecologia da Paisagem Subsídios a Elaboração do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica em Niterói-R J. 2014. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, INSTITUTO DE FLORESTAS, Rio de Janeiro, 2014. 74f. SAVIANI, D. A pedagogia histórico-critica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2005. SILVA, E H.. Xukuru: memórias e história dos índios da Serra do Ororubá (Pesqueira/ PE), 1950-1988. 2ª. ed. Recife, EDUFPE, 2017. SILVA, E. Povos indígenas e Ditadura Civil-Militar no Brasil: reflexões para um debate a partir das experiências dos Xukuru do Ororubá/PE. In: TOSI, Guiseppe; FERREIRA. Lúcia de Fátima Guerra. (Orgs.). Ditaduras militares, estado de exceção e resistência democrática na América latina. João Pessoa/PB: CCTA/UFPB, 2016, p. 77- 106. SILVA, E. H. Xukuru: memórias e histórias dos índios da Serra do Ororubá (Pesqueira/PE), 1950-1988. (Tese Doutorado em História Social). Campinas: UNICAMP, 2008. SILVA, E. H. Xukuru: história e memórias dos “caboclos” da Serra de Ororubá (Pesqueira, PE). In: OLIVEIRA, João Pacheco de. A presença indígena no Nordeste. Rio de Janeiro: 2011, p. 483-510. SILVA, E. H. Os índios Xukuru x fazendeiros: história socioambiental no Agreste pernambucano. In: AGUIAR, José Otávio; RODRIGUES, André Figueiredo. Natureza e cultura nos domínios de Clio: história, meio ambiente e questões étnicas. Campina Grande: EDUFCG, 2012, p.65-95. SILVA, E. H. Os índios Xukuru: entre doces, carnes. Faltando frutas e legumes. Conflitos de terras e fome em Pesqueira na década de 1950. Revista História Unicap, v. 3, n. 5, jan./jun. de 2016. SILVA, E. H. História indígena e história socioambiental no Semiárido pernambucano: os Xukuru do Ororubá. In: SILVA, Edson H.; SANTOS, Carlos A. B.; OLIVEIRA, Edivania G. da S.; COSTA NETO, Eraldo M. (Orgs.). História Ambiental e história indígena no Semiárido brasileiro. Fera de Santana, BA, UEFS Editora, 2016, p. 13-33. SILVA, E. H. Xukuru: memórias e história dos índios da Serra do Ororubá (Pesqueira/ PE), 1959-1988. 2ª. ed. Recife, EDUFPE, 2017a. SILVA, E. H. Índios no Nordeste: por uma história socioambiental regional. In: Cadernos do CEAS, [s.l.], v. 240, p. 117-136, 2017b. SILVA, E. H.; OLIVEIRA, E. G. S.; SANTOS JUNIOR, C. F. Os povos indígenas no “Sertão verde”: mobilizações, conflitos e afirmações identitárias no Semiárido pernambucano. In: O encolhimento das águas: o que se vê e o que se diz sobre crise hídrica e convivência no Semiárido. Campina Grande/PB: INSA, 2018, p. 129- 149. SILVA, E. H. ; PES, I. Povo Indígena Xukuru do Ororubá: uma história de mobilizações por afirmação de direitos. Rev. Direito e Práx., Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, 2022, p.395-423. DOI: 10.1590/2179-8966/2022/65122 SILVA, M. G. L. da. Água, conhecimento e ação local: cartilha como instrumento de aprendizagem. 2018Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Biociências. Mestrado Profissional em Rede Nacional para o Ensino das Ciências Ambientais, Recife, 2018. 75f. SILVA PIMENTEL, M. A.; RIBEIRO, W. C. Populações tradicionais e conflitos em áreas protegidas. Geousp. Espaço e Tempo (Online), v. 20, n. 2, p. 224-237, mês. 2016. ISSN 2179-0892. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/issue/. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892. Acesso em: 25 mar. 2021. SIMAS, L. A.; RUFINO, L. Encantamento: Sobre Política de Vida. Mórula Editorial, Rio de Janeiro, 2020. SIMAS, L. A.; RUFINO, L. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. 1. ed. Rio de Janeiro: Mórula, 2018. SIQUEIRA, L.; RIBEIRO, L.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Agroecologia como paradigma. Cadernos de Agroecologia. ISSN 2236-7934. Anais do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia, São Cristóvão, Sergipe, v. 15, no 2, 2020. SOUZA, E. F. de. AVALIAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA DO CÓRREGO PIRAPITINGA POR MEIO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO. 2013. Monografia. Universidade Federal de Uberlândia. Minas Gerais. Faculdade de Ciências Integradas do Pontal. 2013. 60f. SOUZA, M. Amazônia indígena. 1ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2015. 255 p. SOUZA, V. R. F. de P. e. As fronteiras do ser Xukuru. Recife: Massangana, 1998. SPAMER, H.; SILVA, A. T. R. da. Povos e comunidades tradicionais em Unidades de Conservação: Conflitos socioambientais e luta por identidade e território. Revista de Estudos em Relações Interétnicas, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 59–85, 2019. DOI: 10.26512/interethnica.v22i1.17157. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/interethnica/article/view. Acesso em: 25 mar. 2021. UCHÔA, R.; CASTRO, L. de; SÁNCHEZ, C. Por uma Educação Ambiental Contra Hegemônica: A construção do conceito de Oprimido Ambiental em Paulo Freire a partir da análise crítica da Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). In: III Fórum de Educação Ambiental Crítica, n. 3, 2016, São Paulo. Anais, São Paulo: UNESP, 2016. VALADARES, S. M. V. S.; CARVALHO, M. C. V. B. DE; COSTA, C. M. M. F. DA; ASSIS, C. N. DE; AROUCK, O. (Org.). Diversidade indígena: povos originários. Biblioteca Senado Federal. Brasília. Boletim de bibliografias selecionadas, v. 6. 2021. 13p. VALENÇA, M. M. ECOLOGIA DE SABERES E JUSTIÇA COGNITIVA. O movimento dos trabalhadores rurais sem-terra (MST) e a universidade pública brasileira: um caso de tradução?. 2014. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Programa em Pós-colonialismos e Cidadania Global. Portugal. 2014. 311f. VASCONCELOS, V. S. de. A formação do sujeito ecológico por meio da educação ambiental crítica a partir de concepções pedagógicas Paulo freireanas. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação). PUC-MG, Belo Horizonte. 2011. 107f. VIEIRA, L. B.; BREDARIOL, C. S. Cidadania e política ambiental. Rio de Janeiro: Record, 1998. VIEIRA, M. G. Os direitos fundamentais das comunidades tradicionais: crítica ao etnocentrismo ambiental brasileiro. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014. TAKUÁ, C. Seres criativos da floresta. Cadernos Selvagem. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://selvagemciclo.com.br/wp content/uploads/2020/11/CADERNO_4_ TAKUA.pdf. Acesso em: 25 out. 2023. _________. Teko Porã. O sistema milenar educativo de equilíbrio. São Paulo: Rebento. n. 9, p. 5-8, dez. 2018. TAPAJÓS, S. Direitos indígenas e poder judiciário: o caso da terra indígena Maró. Curitiba: Juruá, 2019. 179 p. 341.3451 T172 DIPJ 2019 TERRÉN, E. Postmodernidad, legitimidad y educacion. Educação & Sociedade, [s.l.]. v. 20, n 67, p. 11-47, ago, 1999. TEIXEIRA, M. N. O sertão semiárido: uma relação de sociedade e natureza numa dinâmica de organização social do espaço. Revista Sociedade e Estado. [s.l.], v. 31, n. 3, setembro/dezembro 2016, p.769-797. THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2009. TOZZO, R. A.; MARCHI, E. C. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BRASIL: UMA VISÃO CONCEITUAL, HISTÓRICA E LEGISLATIVA. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, [s.l], v. 6, n.3, p. 508 – 523. jul - dez 2014. TREIN, E. S. Educação ambiental crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação. v. 7, n. 14, ago.-dez. 2012. TREINTA, F. T.; FARIAS FILHO, J. R.; SANT’ANNAC, A. P.; RABELOD, L. M. Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Production, v. 24, n. 3, p. 508-520, July/Sept. 2014. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132013005000078 TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. TRZYNA, T. Áreas Protegidas Urbanas: Perfis e diretrizes para melhores práticas. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas. n. 22, Gland, Suiça: UICN. 2017. 110p. WATSON, J. E. M.; DUDLEY, N.; SEGAN, D. B.; HOCKINGS, M. The performance and potential of protected areas. Nature, v. 515, n. 7525, p. 67-73, 2014. WUENSCHE, C. A. COSMOLOGIA. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE, Divisão de Astrofísica. 2017. 52p. YIN, R. K. Case Study Research: Design and Methods. 5. ed. United States of America: SAGE Publications, Inc, 2013.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAn error occurred on the license name.*
dc.rightsAn error occurred on the license name.*
dc.rights.uriAn error occurred getting the license - uri.*
dc.rights.uriAn error occurred getting the license - uri.*
dc.subjectidentidade socioecológicapt_BR
dc.subjectpovos originários do Brasilpt_BR
dc.subjectserra do Ororubápt_BR
dc.subjectterritório indígenapt_BR
dc.titleXukuru do Ororubá: história de luta de um povo pela conservação ambiental da sua terra ancestralpt_BR
dc.typeTCCpt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0519480478422550pt_BR
dc.contributor.advisor1Valença, Marcos Moares
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2633082538920292pt_BR
dc.contributor.referee1Valença, Marcos Moares
dc.contributor.referee2Silva, Anselmo Cesar Vasconcelos
dc.contributor.referee3Cordeiro, Nilson da Rocha
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2633082538920292pt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/4403057502641157pt_BR
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/5520242819738772pt_BR
dc.publisher.departmentRecifept_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqOUTROSpt_BR
dc.description.resumoO objetivo da pesquisa é analisar a construção da identidade socioecológica dos povos originários, Xukuru do Ororubá, no município de Pesqueira, Pernambuco, a fim de compreender sua inter-relação com a conservação ambiental. As violências, a miséria e a fome, sofridas, pelos povos originários brasileiros, no decorre da história de lutas, desde o período colônia, passando pelo império, até a redemocratização do Brasil, pela Constituição de 1988. A pesquisa realizou-se revisão sistemática integrativa (revisão bibliográfica) nas bases de dados entre os anos de 2008 e 2023, tendo com principais fontes de informações as plataformas de periódicos Scopus, Scielo, Portal Capes. Tal procedimento resultou no acervo 72 documentos, que foram novamente avaliados, agora de acordo como a categorização temática da pesquisa, o que resultou em 58 documentos. Atrelado a isso, surge a análise do conteúdo que sistematiza as regras e o interesse pelo alargamento das aplicações da técnica de entrevista semiestruturada. Pontua-se que as histórias do povo Xukuru do Ororubá nos auxiliam, ainda, a entender como pessoas e grupos experimentaram o passado e torna possível questionar interpretações generalizantes de determinados acontecimentos e contextos. Diante do exposto, ao analisar os relatos dos Xukuru do Ororubá, na serra do Ororubá, é possível afirmar que as lutas pela sua terra ancestral estão intimamente ligado a identidade socioecológica, uma vez que ambos, povo originário e suas terras, se confundem com a conservação do meio ambiente, criando uma configuração homem-meio, atrelado a cultura desse povo.pt_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record