Show simple item record

dc.creatorFerreira, Douglas Inácio Fragoso
dc.date.accessioned2023-06-15T23:49:05Z
dc.date.available2023-06-15T23:49:05Z
dc.date.issued2023-05-25
dc.identifier.citationFERREIRA, Douglas Inácio Fragoso; BÉHAR, Alexandre Hochmann. A noção da precarização no setor de entregas por aplicativo: uma análise crítica do discurso da Folha de São Paulo, de 2018 a 2023. Orientador: Alexandre Hochmann Béhar. 2023. 21 p. Artigo (Tecnólogo em Processos Gerenciais) - Instituto Federal de Pernambuco, Paulista, PE, 2023.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ifpe.edu.br/xmlui/handle/123456789/982
dc.description.abstractThe development of work is influenced by technological, social and emotional issues. Specifically, from the 1990s, this process turned to the informal sector due to the consequent flexibilization of work. In this context, coincidentally or not, works by application platforms with a collaborative business model have consolidated in the market. This new type of work provoked a reorganization in the capitalist structure, necessary for discussion about its various aspects, including the precariousness of work. These types of work, delivering for the app, were what gained prominence in discussions about precariousness, especially after the pandemic. Therefore, the objective of this work is to analyze the notion of precariousness of Folha de São Paulo on the work of deliveries by application, from 2018 to 2023. For this, a qualitative approach is used with a corpus of documentary research and Critical Discourse Analysis. With the analysis, it was understood that the newspaper has a predominantly negative notion and is concerned with the precariousness of the delivery sector, characterizing it as employment relationships outside the law, with an accentuation of this notion during the pandemic. In addition, the newspaper was concerned about the normalization of the lack of labor relations, generating discussions about possible solutions to the problems generated by the presence of precariousness.pt_BR
dc.format.extent21 p.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.relationABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização do trabalho: subsunção real da viração. Blog da Boitempo, 2017. ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, Valparaíso, v. 18, n. 3, p. 41-51, nov. 2019. ABILIO, Ludmila Costhek.. Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Estudos Avançados, São Paulo, v. 34, n. 98, p. 111-126, abr. 2020. ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. Ed. São Paulo: Boitempo, 2009. E-book. ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletário de serviços na era digital. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2018. E-book. ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2020a. ANTUNES, Ricardo. E agora, José?. FOLHA DE SÃO PAULO. 20 de mai. 2020b. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/05/e-agora-jose.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. BARBOSA, Nelson. Trabalhadores de apps, uni-vos!. FOLHA DE SÃO PAULO. 29 de abr. de 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/nelson-barbosa/2021/04/trabalhadores-de-apps-uni-vos.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. BOGHOSSIAN, Bruno. Atalho de Guedes para retomada do emprego pode oficializar o trabalho precário. FOLHA DE SÃO PAULO. 4 de jul. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/bruno-boghossian/2020/07/atalho-de-guedes-para-retomada-do-emprego-pode-oficializar-trabalho-precario.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009. Tradução: Ivone C. Benedetti. BONDUKI, Nabil. Trabalhar com fome levando comida nas costas: porque os entregadores farão greve. FOLHA DE SÃO PAULO. 28 de jun. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/nabil-bonduki/2020/06/trabalhar-com-fome-levando-comida-nas-costas-porque-os-entregadores-farao-greve.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. CACCIAMALI, Maria Cristina. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, Campinas, v. 9, n. 1, p. 153-174, jun. 2000. CRESWELL, John W; CRESWELL, J. David. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2021. DE STEFANO, Valerio. The rise of the “just-in-time workforce”: On-demand work, crowdwork and labour protection in the “gig-economy”. Conditions of Work and Employment Series, Geneva, n.71, 2016. DRUCK, Graça. Trabalho, precarização e resistência: novos e velhos desafios?. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 01, p. 37-57, 2011. FAIRCLOUGH, Nornam. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001. FALZONI, Renata. Quem vai entregar um pouco de futuro aos entregadores?. FOLHA DE SÃO PAULO. 30 de jun. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/06/quem-vai-entregar-um-pouco-de-futuro-aos-entregadores.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. FERRAZ, Douglas Conteras. A questão social na indústria 4.0 e o movimento dos entregadores de aplicativo: breves digressões. Rev. do Trib. Reg.Trab. 10ª Região, Brasília, v. 24, n. 2, p. 13-22, 2020. FERREIRA, Douglas I F; ASSIS, Hilquias K L; BÉHAR, Alexandre H. Informalidade, precarização e flexibilização: um retrato do trabalho dos entregadores de aplicativo no contexto pandêmico. RGO – Revista Gestão Organizacional, v.15, n.3, p. 143 – 159, set. 2022. FOLHA DE SÃO PAULO. O jornal mais influente do Brasil. Folha de S. Paulo. Brasil, 2022. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/institucional/o_grupo.shtml. Acesso em: 19 de jun. 2022. FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 1996. FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999. FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forenses, 2008. FRANCO, David Silva; FERRAZ, Deise Luiza da Silva. Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos Ebape.br, [s.l.], v. 17, p. 844-856, nov. 2019. HARVEY, David. Condição pós-moderna. 17ª Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008a. HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008b. IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Painel da Gig Economy no setor de transporte do Brasil: quem, onde, quantos e quanto ganham. Carta de Conjuntura Nº 55, nota de conjuntura 14, 2022. LIMA, Jacob Carlos; BRIDI, Maria Aparecida. Trabalho digital e emprego: a reforma trabalhista e o aprofundamento da precariedade. Caderno CRH, Salvador, v. 32, n. 86, p. 325-341, 2019. KORMANN, Alessandra. Saiba como ajudar os entregadores de aplicativos. FOLHA DE SÃO PAULO. 4 de jul. 2020. Disponível em: https://f5.folha.uol.com.br/colunistas/bate-papo-na-web/2020/07/saiba-como-ajudar-os-entregadores-de-aplicativos.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. RAMOS, Carlos Alberto. Setor informal: do excedente estrutural à escolha individual. Marcos interpretativos e alternativas de política. Revista Econômica, Rio de Janeiro, v.9, n.1, p. 115-137, jun. 2007. REUTERS. Candidatos a entregador de aplicativo mais que dobram após isolamento causado pelo coronavírus. G1. Brasil, 01 de abr. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/04/01/candidatos-a-entregador-de-aplicativo-mais-que-dobram-apos-isolamento-causado-pelo-coronavirus.ghtml. Acesso em: 11 de jul. 2021. ROQUE, Tatiana. Por cause de robôs, ideia de renda básica universal ganha mais adeptos. FOLHA DE SÃO PAULO. 17 de fev. de 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/02/por-causa-de-robos-ideia-de-renda-basica-universal-ganha-mais-adeptos.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. SANTOS, Georgia Patrícia Guimarães. Desemprego, informalidade e precariedade: a situação do mercado de trabalho no Brasil pós-1990. Pro-Posições, v.19, n.2, p. 151-161, 2008. SILVA, Fabricio Pereira. A vitória de Petro e os desafios da nova onda rosa na América Latina. FOLHA DE SÃO PAULO. 24 de jun. 2022. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/latinoamerica21/2022/07/a-vitoria-de-petro-e-os-desafios-da-nova-onda-rosa-na-america-latina.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. 1. ed. São Paulo: Editora Elefante, 2017. SOPRANA, Paula. Ato de motoboys pede taxa mais altas de apps e expõe racho político na categoria. FOLHA DE SÃO PAULO. 26 de jul. de 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/07/ato-de-motoboys-une-poucos-entregadores-nas-ruas-e-expoe-racha-politico-na-categoria.shtml. Acesso em: 26 de mar. 2023. STANDING, Guy. O Precariado: a nova classe perigosa. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. Tradução: Cristina Antunes. VAN DIJK, Teun A. Discurso, notícia e ideologia: estudos na análise crítica do discurso. Porto: Campo das Letras, 2005. VAN DIJK, Teun A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2012.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAn error occurred on the license name.*
dc.rights.uriAn error occurred getting the license - uri.*
dc.subjectPrecarizaçãopt_BR
dc.subjectTrabalho por aplicativopt_BR
dc.subjectAnálise Crítica do Discursopt_BR
dc.titleA noção da precarização no setor de entregas por aplicativo: uma análise crítica do discurso da Folha de São Paulo, de 2018 a 2023.pt_BR
dc.typeArticlept_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9801424910699422pt_BR
dc.contributor.advisor1Béhar, Alexandre
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4988993702717451pt_BR
dc.contributor.referee1Béhar, Alexandre Hochmann
dc.contributor.referee2Lorêto, Myrna Suely Silva
dc.contributor.referee3Lopes, Alba De Oliveira Barbosa
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/498 8993702717451pt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/167 2496010569879pt_BR
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/733 4674129514705pt_BR
dc.publisher.departmentPaulistapt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS::ADMINISTRACAO DA PRODUCAOpt_BR
dc.description.resumoO desenvolvimento do trabalho é influenciado pelas questões tecnológicas, sociais e econômicas. Em específico, a partir dos anos de 1990, esse processo voltou-se ao setor informal pela consequente flexibilização do trabalho. Nesse contexto, coincidentemente ou não, os trabalhos por plataformas de aplicativo com modelo de negócio colaborativo se consolidaram no mercado. Esse novo tipo de trabalho provocou uma reorganização na estrutura capitalista, necessária de discussão sobre seus diversos aspectos, inclusive sobre a precarização do trabalho. Desses tipos de trabalho, o de entregas pro aplicativo foi o que ganhou destaque nas discussões sobre a precarização, principalmente depois da pandemia. Por isso, o objetivo deste trabalho é analisar a noção de precarização da Folha de São Paulo sobre os trabalhos de entregas por aplicativo, de 2018 a 2023. Para isso, utilizou-se uma abordagem qualitativa com corpus de pesquisa documental e Análise Crítica do Discurso (ACD). Com a análise, chegou-se ao entendimento de que o jornal possui uma noção predominantemente negativa e preocupada com a precarização no setor de entregas, caracterizando-o como relações empregatícias à margem da lei, com acentuação dessa noção durante a pandemia. Além disso, o jornal demonstrou-se preocupado com a normalização da falta de relações trabalhistas, gerando discussões sobre possíveis soluções para os problemas gerados pela presença da precarização.pt_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record